Urucuzeiro

Na estrada favorita entre aqui e aí Onde os montões de areia se encontram pra dividir tiquira e camarão seco com limão e pimenta... As bocas do urucu jorram vermelho e pó de enfeitar terra de chão batido. Ah, como o Maranhão é bonito... Olhei o pé de corante lá no canto, Barriga com borboletinhas... … Continue lendo Urucuzeiro

Chá de alho – como nossos pais…

Não escrevi poesiaMas acho que chá de alho com gengibre e limão dizem muito sobre eu olhar meus pais fazerem isso por décadas e finalmente chegar o tempo em que não somente eu faço pra mim, como gosto. Nit  fala do "Mito do eterno retorno", o contexto é  outro, mas esse chá já me disse … Continue lendo Chá de alho – como nossos pais…

Eu moraria na voz da Mônica Salmaso

Massaud Moisés ao sol Eu costumo falar dum lugar que é o sertão, e aqui, conforme prefetizado por Antônio Conselheiro, ele virou mar. Não sei se março ou abril, mas a bola de pilates flutuava no meio da casa enquanto eu olhava pro jardim de inverno pra saber se ele iria virar um imenso aquário … Continue lendo Eu moraria na voz da Mônica Salmaso

Yellow jazz song, um solo do Coltrane para você

O sax do Coltrane toca um solo praqueles que avistam longe o amarelo na vida. Me disseram que você pode descer as escadas do centro de São Luís de muitos jeitos: pelo meio, se equilibrando entre tanta beleza; olhando pra cima pra enxergar melhor a moldura que é a beirada dos telhados encostando no céu; … Continue lendo Yellow jazz song, um solo do Coltrane para você