Yellow jazz song, um solo do Coltrane para você

O sax do Coltrane toca um solo praqueles que avistam longe o amarelo na vida. Me disseram que você pode descer as escadas do centro de São Luís de muitos jeitos: pelo meio, se equilibrando entre tanta beleza; olhando pra cima pra enxergar melhor a moldura que é a beirada dos telhados encostando no céu; … Continuar lendo Yellow jazz song, um solo do Coltrane para você

O nascimento de Vênus: a ostra que somos bebe uma chávena de chá (Toca Moska de fundo)

Eu queria que vocês vissem a minha chávena de chá. Ela não foi escolhida, mas me escolheu. Não sei definir muito bem de que material é feita , mas tem uma alça de bambu e pode se estilhaçar caso você seja um artista temperamental desses que quebra coisas numa cena de filme noir. Ao lado … Continuar lendo O nascimento de Vênus: a ostra que somos bebe uma chávena de chá (Toca Moska de fundo)

Se juntar as partes ainda não dá o todo

TRADUZIR-SE Uma parte de mim é todo mundo; outra parte é ninguém: fundo sem fundo. Uma parte de mim é multidão: outra parte estranheza e solidão. Uma parte de mim pesa, pondera; outra parte delira. Uma parte de mim almoça e janta; outra parte se espanta. Uma parte de mim é permanente; outra parte se … Continuar lendo Se juntar as partes ainda não dá o todo

Eu moraria numa canção da Nina Simone

Agora eu nem sei mais se a biografia é da Patti Smith ou se sou eu em alguma espécie de transferência Freudiana. Porque se eu também tivesse parado no Nedick's e colocado uma moeda na JukeBox, escolheria Nina Simone sem dúvida alguma... Se existe uma trilha sonora para um café e uma rosca de despedida? … Continuar lendo Eu moraria numa canção da Nina Simone

Para toda dor há um encontro: manifesto-poesia em tempos de flagelo

write hard and clear about what hurts (Ernest Hemingway) Meus traumas quando se trata de leitura obrigatória se resumem a provas cujo tema era Machado de Assis (eu não conseguia me sentir confortável em ter que ler Machado de Assis para responder a testes. Machado tem que ser deglutido lentamente ...tem que ser prazeroso. Ele … Continuar lendo Para toda dor há um encontro: manifesto-poesia em tempos de flagelo