Solidão, esse espaço entre a lente e a foto

(...) mas a solidão não é viver só, a solidão é não sermos capazes de fazer companhia a alguém ou a alguma coisa que está dentro de nós, a solidão não é uma árvore no meio duma planície onde só ela esteja, é a distância entre a seiva profunda e a casca, entre a folha … Continue lendo Solidão, esse espaço entre a lente e a foto

“…Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto”

Pode ser por pura distração, ou porque eu tenha medo de enxergar a realidade... Antes era a miopia. Para me maquiar eu precisava colocar os óculos, mas o pincel não alcançava as pálpebras. Então, num susto eu fiz uma cirurgia. Eu digo susto porque foi no piloto automático. Foi de todas, a coisa mais estranha … Continue lendo “…Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto”

Te amo mais que agosto e aquela canção…

Às vezes me dá um tristinho dentro do coração porque escrevi sobre uma música em algum desses agostos a que que me apego tanto - seja pela dificuldade em crescer, em se desenrolar, em acontecer; seja porque talvez esse seja o refrão dos que reclamam de agosto ser um mês lento e, na contramão da … Continue lendo Te amo mais que agosto e aquela canção…

Bolo de banana e canela e viagens no tempo

Em São Luís basta pegar o ônibus que passa pela Beira Mar ou que atravessa a ponte do São Francisco pra voltar no tempo. Eu já cruzei a ponte, por exemplo, e caí no buraco de minhoca do dia em que cortei a cidade pra comprar biscoitos de canela. Eles faziam crack-crack tipo música lo-fi...Eu … Continue lendo Bolo de banana e canela e viagens no tempo