Dez poemas e um buquê

O sol se desmilinguindo todo por dentro do carro. Eu abro as janelas pro cheiro de junho: as fogueiras daqueles que cumprem rituais juninos , todas as receitas de milho, açúcar e canela... Eu parava no meio da avenida, defronte dos bolos, aos domingos. Acho o comprimento daquele rua lindo e foi o primeiro lugar … Continue lendo Dez poemas e um buquê

Meu mundo Thelonious Monk’s blues

As segundas-feiras eram de dez aulas, entre o calor maranhense e as sombras dos pés de manga. É possível que este retrato ateste que depois de todas as últimas segundas-feiras, mais chorosa, deprimida e inquieta que no tempo em que Cohen falou da rachadura em tudo ( que é por onde a luz entra), eu … Continue lendo Meu mundo Thelonious Monk’s blues

Urucuzeiro

Na estrada favorita entre aqui e aí Onde os montões de areia se encontram pra dividir tiquira e camarão seco com limão e pimenta... As bocas do urucu jorram vermelho e pó de enfeitar terra de chão batido. Ah, como o Maranhão é bonito... Olhei o pé de corante lá no canto, Barriga com borboletinhas... … Continue lendo Urucuzeiro

Receita de sonhos ao molho de tomate

Se fosse um filme, teria a mesma paleta daquele francês verde e vermelho da menina que diz que "são tempos difíceis para sonhadores". São pequenas e privilegiadas satisfações no meio da pandemia: puxar um galhinho de manjericão da própria horta sem agredir os gafanhotos que decidiram fazer morada ali. Entre ficar deprimida o dia todo, … Continue lendo Receita de sonhos ao molho de tomate

Chá de alho – como nossos pais…

Não escrevi poesiaMas acho que chá de alho com gengibre e limão dizem muito sobre eu olhar meus pais fazerem isso por décadas e finalmente chegar o tempo em que não somente eu faço pra mim, como gosto. Nit  fala do "Mito do eterno retorno", o contexto é  outro, mas esse chá já me disse … Continue lendo Chá de alho – como nossos pais…

Bill, toca Bill Evans, e mostra como tu é intenso

Vocês deviam entender como essa valsa começa mais melancólica que a cabeça do Bill Evans balançando devagar - não porque seja sempre tímido como é sempre tímido-, mas porque fez muito calor naquele dia pré-pandemia lá perto da fonte do Ribeirão. Lembra, Bill, que eu te achei no meio daqueles discos todos? Eu tava animada … Continue lendo Bill, toca Bill Evans, e mostra como tu é intenso

Eu moraria na voz da Mônica Salmaso

Massaud Moisés ao sol Eu costumo falar dum lugar que é o sertão, e aqui, conforme prefetizado por Antônio Conselheiro, ele virou mar. Não sei se março ou abril, mas a bola de pilates flutuava no meio da casa enquanto eu olhava pro jardim de inverno pra saber se ele iria virar um imenso aquário … Continue lendo Eu moraria na voz da Mônica Salmaso