Fonte do Ribeirão



Foi a Elizabeth Gilbert quem disse que “em todas as grandes cidades do mundo ocidental, algumas coisas são sempre iguais” (Comer, Rezar, Amar);
Mas há aqueles lugares que guardam belezas específicas como chafarizes. Eles deixam que a gente olhe pra dentro;

Ver uma cidade, afinal, pede olhos que saibam cumprir a missão: parar quando diante duma fonte e percorrer até o céu quando janelinhas misteriosas nos empurram para ver o dedo de cimento apontando para as nuvens. Todo prédio com janelinhas tem no sopé um café e luzinhas… e é nisso que as cidades se diferenciam: eu escolho uma mesa, me sirvo do melhor croissant, penso no barulho das águas que emergem de estátuas e reescrevo a incrível sincronia da Gilbert tomando forma: “Do centro da minha vida veio uma grande chafariz”.