Sem categoria

O poema

Adília Lopes, foto do ig O poema ensina a cair.

Tenho um poema de que gosto muito

Ele fala de ver sombra nas coisas e de isso lembrar um versinho

Lembrar, lembrar, lembrar

Não é isso que é o amor?

Lembrar que o disco do Nando Reis já foi a trilha sonora da dança das cadeiras mensal

Lembrar que viajar era descer toda a rua do Sol pra comprar passe escolar e parar diante da Fonte do Ribeirão, tocar nas carrancas e sair correndo (porque acha que serpentes acordam assim, com carinho…)

Lembrar que já foi um sonho morar no centro, ser dona dum antiquário, flagrar o sol ficando bonito no final da tarde…

Ouvir Milton pela primeira vez… Não é assim que nasce um poema?

Ouvir jazz pela primeira vez no cursinho de inglês. Não é isso que é o amor?

Tenho mil poemas de que gosto muito

Hoje de manhã tentei não ver poesia, tentei a crua, pura, nua frieza… o lado duro de tudo…

Me veio Adília…

E me fez perceber como sou sentimental às vezes.

4 comentários em “O poema

  1. Já tentei fazer isso: não ver poesia nas coisas, calar o olhar, silenciar o sentir e não fui feliz. Um pássaro cruzou meu olhar num voo rasante e eu sorri. Voei com ele. Uma janela se abriu com cortinas a chamar pelo neto e eu senti o tecido em meu corpo, numa espécie de carícia. Enfim, como beber café sem lembrar Borges? rs

    bacio

    Curtido por 3 pessoas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s