Jogando meu corpo no mundo · poderia ser uma crônica

Janela beatnick

Ela ama postos de gasolina de beira de estrada
Ela gosta dessa vista beatnick
Desse parágrafo do Jack Kerouac tomando forma
Toca Dylan dentro dela
A estrada é folk
O café é blues
O tum-tum-tum do coração é jazz
“Pela janela, quem é ela, quem é ela…eu vejo tudo enquadrado”.

(Poesia da foto é do livro Estranherismo do Zack Magiezi)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s