Sem categoria

50 tons de amarelo-ocre!

Se você nasceu ou cresceu (como eu) no Maranhão, deve ter sido ensinado que aqui a gente só tem duas estações: a estação da seca e a estação de trem (rsrs). A verdade é que entre meados de Dezembro até Maio as chuvas se intensificam, a paisagem assume vários tons de verde, o cheiro dela na terra fica absurdamente incrível, a gente experimenta alguns dias amenos e até chamamos isso de frio. A vida, se fosse um filme, teria película escura, mais acinzentada e, nas bordas de nós, um verde-musgo. Amolecemos, tomamos café com beiju, lemos Córtazar e esquecemos por algumas nuvens escuras e manhãs geladas nossa proximidade à linha do Equador. Julho, Agosto e Setembro são os meses do ventos. Se você mora em ladeiras (como eu por quase 26 anos), em vez de se lamuriar pelo penteado desfeito, pela roupa que dança freneticamente no corpo, aproveita pra voar. O vento de Agosto, que bagunçava a pasta lotada de provas, era símbolo da minha liberdade no topo daquela ladeira. Num vento desses me deixei ir e pedi demissão dum emprego que detestava sem ter outro em vista. Noutro, eu comprei um livro desses que tinha virado best-seller e, num único dia, fui arrastada pra poesia-surpresa.
É em Agosto também que aparece o Amarelo-Ocre e, pra contrastar, a azeitona preta (que fica roxa na língua). As mangueiras começam a florescer. O Ipê tem vida curta: amarelo, rosa, branco e lilás. As estradas ficam tão impressionistas quanto um quadro de Van Gogh. Os troncos se contorcem, os babaçuais ensaiam uma coreografia e nossos olhos se distraem. Não importa se primavera e outono a gente só conhece de ler nos livros. Não importa mais nenhum outro lugar. Nosso amarelo-ocre tem a forma de um soneto: dois quartetos e dois tercetos. Fica gravado no coração, que nem aquele de Camões que fala sobre o amor. A gente se abana entre um verso e outro -“é fogo que arde” essa paisagem-, chupando manga com sal e pimenta, desafiando a vó, todo lambuzado e já de pensamento fixo no milho que logo-logo tá vindo:”Eita, vai tê mi debuiado”.
O nosso amarelo é mais ocre que o de lá…
(Eu cismo sozinha o dia todo)
Minha terra tem vários tons.
#AmareloÉquando
#AgostoChega
#EoVerdeSeEsvai

5 comentários em “50 tons de amarelo-ocre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s