Sem categoria

Sobre café e biscoitos de canela . Cartola canta a minha travessia: ponte para a vida.

Eu ouvia Cartola enquanto atravessava pela milionésima vez a ponte do São Francisco. Ela liga duas partes da cidade, uma bem antiga e outra em que tudo são prédios, vidros e vez em vento um neon. Eu queria que vocês vissem como essa ponte é linda. Então eu ouvia Cartola e ele dizia: "Deixe-me ir… Continuar lendo Sobre café e biscoitos de canela . Cartola canta a minha travessia: ponte para a vida.

Sem categoria

Poesia que é uma cama ou um abraço. Quem sabe uma grata insônia

Adília Lopes não sofria de insônia, decerto. É que eu também já gostei muito de me deitar sem sono e os lugares por onde vão meus pensamentos renderiam milhões de diários. Adília gosta dos próprios abraços e aí vamos pisar aqui naquele lugar comum: é preciso se amar. Ter a si mesma com um carinho.… Continuar lendo Poesia que é uma cama ou um abraço. Quem sabe uma grata insônia

Sem categoria

“Fomos felizes por alguns anos, girassois e noites estreladas…”

#bodasimpressionistas Vicent nunca foi muito sociável, mas me escrevia cartas a valer.😍 (Não mais do que escrevia a Théo, seu irmão). Foram 8 meses entre o dia que ele foi comprar tintas na mesma lojinha em que eu costumava repor o estoque do meu ex-patrão - Sir. Johannes Vermeer-, e o nosso enlace. Casamos em… Continuar lendo “Fomos felizes por alguns anos, girassois e noites estreladas…”

Sem categoria

Barroca: eu sempre soube ser todas as metades/ inteira no domingo

/Poesia da Foto @clarabacca/ Domingo é dia de se encontrar Nos textos Nas tintas Na playlist No quarto com poesias coladas na parede No café Na geladeira vazia Domingo é metade ócio, metade colocar os trabalhos em dia Metade sonhar com o café no Reviver Metade viver qualquer dura poesia Qualquer coisa dentro doida E… Continuar lendo Barroca: eu sempre soube ser todas as metades/ inteira no domingo

Ferreira Gullar · poesia · Sem categoria

Se juntar as partes ainda não dá o todo

TRADUZIR-SE Uma parte de mim é todo mundo; outra parte é ninguém: fundo sem fundo. Uma parte de mim é multidão: outra parte estranheza e solidão. Uma parte de mim pesa, pondera; outra parte delira. Uma parte de mim almoça e janta; outra parte se espanta. Uma parte de mim é permanente; outra parte se… Continuar lendo Se juntar as partes ainda não dá o todo