Chá de alho – como nossos pais…

Não escrevi poesiaMas acho que chá de alho com gengibre e limão dizem muito sobre eu olhar meus pais fazerem isso por décadas e finalmente chegar o tempo em que não somente eu faço pra mim, como gosto. Nit  fala do "Mito do eterno retorno", o contexto é  outro, mas esse chá já me disse … Continue lendo Chá de alho – como nossos pais…

Bill, toca Bill Evans, e mostra como tu é intenso

Vocês deviam entender como essa valsa começa mais melancólica que a cabeça do Bill Evans balançando devagar - não porque seja sempre tímido como é sempre tímido-, mas porque fez muito calor naquele dia pré-pandemia lá perto da fonte do Ribeirão. Lembra, Bill, que eu te achei no meio daqueles discos todos? Eu tava animada … Continue lendo Bill, toca Bill Evans, e mostra como tu é intenso

Eu moraria na voz da Mônica Salmaso

Massaud Moisés ao sol Eu costumo falar dum lugar que é o sertão, e aqui, conforme prefetizado por Antônio Conselheiro, ele virou mar. Não sei se março ou abril, mas a bola de pilates flutuava no meio da casa enquanto eu olhava pro jardim de inverno pra saber se ele iria virar um imenso aquário … Continue lendo Eu moraria na voz da Mônica Salmaso

Para o velho Gabo

"O mundo era tão recente que muitas coisas careciam de nome e para mencioná-las se precisava apontar com o dedo"Gabriel Garcia Marquez Eu ia começar te dizendo pra tu me "devolver o Neruda que você me tomou e nunca leu", só pra citar Chico Buarque e iniciar uma carta com uma frase tão potente quanto … Continue lendo Para o velho Gabo

100 viagens no tempo e a solidão da serpente

Para todos os autores que eu li na mesa da cozinha Ler os latinos sempre vai parecer que Nit tava certo sobre o mito do eterno retorno. Eu sempre retorno pras mesmíssimas sensações. Agora, lendo Garcia Marquez, voltei, como que atravessando um buraco de minhoca, praquele tempo em que língua bonita era essa em que … Continue lendo 100 viagens no tempo e a solidão da serpente

Frame de cinema ou Beatriz na voz do Milton

" A veces tan tristea veces muerta de risaA veces loca" Julio Cortázar 1 Uma personagem de Clarice que todo início de ano consulta a ginecologista, a reumatologista e faz terapia por seis meses. Em todas as cenas ela usa macacão jeans, o único que ainda cabe nas pernas roliças, seis kilos e alguns churros … Continue lendo Frame de cinema ou Beatriz na voz do Milton

Quando eu morava nas fotografias da National Geographic

Eu gosto de fotografar flores, insetos, musgos nas paredes. Quando eu era pequena, meus olhos eram que nem um microscópio: eu amava sentar diante dum vaso com terra, planta e catalogar os detalhes. Eu posso passar dias e dias olhando pro nada...é que nem quando a gente liga a tevê naqueles canais que mostram a … Continue lendo Quando eu morava nas fotografias da National Geographic

Um blues para 2019

Museu Se houvesse um museu De momentos Um inventário de instantes Um monumento Para eventos Que nunca aconteceram Se houvesse um arquivo de agoras Um catálogo de acasos (...) Se houvesse um depósito de detalhes (...) Ana Martins Marques É parte da beleza dela não estar exatamente aqui, uma sonhadora... The Blues ain't nothing but … Continue lendo Um blues para 2019